logomarca

As Mais Tocadas

  • 1
    Álisson e Neide Paulo e Silas
    Álisson e Neide Paulo e Silas
  • 2
    Nany Azevedo Eu confiarei
    Nany Azevedo Eu confiarei
  • 3
    Samuel Mariano Nem adiantou
    Samuel Mariano Nem adiantou
  • 4
    Jô Cardoso É na marcha que você vence
    Jô Cardoso É na marcha que você vence
  • 5
    Rone Glórias para Jesus
    Rone Glórias para Jesus
  • 6
    Jonas Vilar Olha a frente
    Jonas Vilar Olha a frente
  • 7
    Marquinhos Gomes Não morrerei
    Marquinhos Gomes Não morrerei
  • 8
    Pra. Ludimila Ferber Nunca pare de lutar
    Pra. Ludimila Ferber Nunca pare de lutar
  • 9
    Aline Barros Ressuscita-me
    Aline Barros Ressuscita-me
  • 10
    Thalles Jesus me achou
    Thalles Jesus me achou

Acompanhe-nos

Visitantes


Você é o visitante número 142623 .

  • Você está em:
  • Página inicial »
  • Notícias »
  • Aprovado aumento salarial para ministros do STF e PGR; salários passarão de R$ 39 mil

Aprovado aumento salarial para ministros do STF e PGR; salários passarão de R$ 39 mil

imprimir tamanho da letra: A- normal A+

Agência Brasil - O Senado aprovou nesta quarta-feira (7) projetos de lei que concedem aumento aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e ao procurador-geral da República. O reajuste altera o subsídio dos 11 integrantes do STF e da atual chefe do Ministério Público Federal, Raquel Dodge, de R$ 33,7 mil para R$ 39 mil e provoca um efeito cascata sobre os funcionários do Judiciário, abrindo caminho também para um possível aumento dos vencimentos dos parlamentares e do presidente da República.

A proposta relativa aos membros do STF teve 41 votos favoráveis, 16 contra, e uma abstenção, após os senadores aprovarem, na tarde de ontem (6), a inclusão do texto na Ordem do Dia de hoje. Já o projeto do salário do procurador-geral da República foi aprovado de forma simbólica pelo plenário.

A votação provocou divergências entre os senadores desde o início do dia, depois que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, manifestou “preocupação” com a possibilidade de reajuste. Segundo Bolsonaro, o momento não é adequado para o aumento.

Responsabilidade fiscal

Relator do projeto na CAE que havia emitido um parecer contrário ao texto, Ricardo Ferraço (PSDB-ES) disse que a matéria viola a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Constituição, já que não há dotação orçamentária suficiente para o aumento.

"O cálculo feito pela Consultoria do Senado dá conta de que esta matéria impacta as contas nacionais em torno de R$ 6 bilhões. E aí vale perguntar: como fará o estado quebrado e falido do Rio de Janeiro? Como fará o estado quebrado e falido do Rio Grande do Sul e até o de Minas Gerais? Porque existe o efeito cascata. Esse impacto trará aos nossos estados enormes consequências", questionou.

Para Roberto Requião (MDB-PR), o problema está na falta de informações sobre a extensão do reajuste. Ele disse que mandou fazer um levantamento sobre os salários dos juízes e desembargadores do Paraná, estado que tem em torno de 1.150 juízes.

"Seiscentos juízes receberam, em setembro, mais do que R$ 60 mil. Então, isso desarma esta conversa de que [o reajuste] vai ser diminuído porque liquidarão o auxílio-moradia. O auxílio-moradia é irrisório, são R$ 4 mil. Quero dizer a vocês que eu sou daqueles que votariam um bom salário, se eu soubesse qual é o bom salário", disse o senador, informando que mais da metade dos tribunais de Justiça dos estados não revelaram ao STF o salário dos seus juízes.

Fonte: Acorda Cidade

Deixe seu comentário
Sem comentários cadastrados.
 

Peça sua música

x

Faça aqui o seu pedido musical para o locutor atual: